3 de mai de 2009

Kankura Maillén Chardonnay 2007 com risoto de camarões e manjericão

Comprei este vinho no site da Estação do Vinho e abrimos ele hoje para acompanhar o risoto que fiz no almoço. Paguei R$ 23,00 por esta garrafa.


O vinho é um chardonnay agradável, sem muita pretensão. Tem boa acidez, corpo médio e textura aveludada na língua. Tem toque de madeira nada exagerado, e lembra um pouco manteiga. Final curto, porém agradável, sem deixar gosto amargo como alguns chardonnays.

Já para o risoto, fiz uma receita básica "mediterrânea" com camarões, tomate, ervilha torta, pignoli e manjericão. Imaginei que o vinho acompanharia bem o prato e, no final, o resultado foi melhor do que o esperado! O vinho cresceu muito com o risoto, que também se beneficiou bastante com o vinho.

Um segredinho que acrescetei ao risoto foi um Poivre Long, e acho que este sabor acrescentou demais ao prato e deixou a harmonização ainda mais agrádavel. O sabor picante da pimenta foi bem cortado pela textura do chardonnay e a oleosidade do risto casou bem com a acidez do vinho. Enfim, um casamento feliz!

O vinho valeu os R$ 23,00, e trata-se de uma boa pedida para acompanhar refeições.

O que mais gostei - no vinho, do bom equilíbrio entre acidez e corpo. No risoto, o sabor do Poivre Long foi a grande sacada.

Minha nota: 3.5/5 (para o vinho só, harmonizado melhorou muito)

2 de mai de 2009

Le Vin Quotidien no Twitter

Olá leitores do Blog!


Nesses últimos tempos, tenho me interessado cada vez mais pelo Twitter. É uma ferramenta muito bacana, na minha opinião, pois permite passar informações rápidas, curtas e diretas sobre o assunto que desejamos falar.

Tem muita gente usando para bobagem, mas eu realmente acho que existem usos interessantes e relavantes para a ferramenta. Foi por isso que decidi começar também a postar em nome do Le Vin Quotidien no Twitter.

Minha idéia é colocar comentários curtos, informações instantâneas e mais diretas sobre vinhos, bebidas, comidinhas, essas coisas. Vou manter os comentários mais detalhados sobre degustações aqui para o Blog, esperando assim ter dois canais complementares de comunicação.


Os comentários do Twitter também estão presentes aqui no blog, na barra lateral. E você também pode se inscrever no feed RSS, uma boa opcão para quem me lê via feed.

É isso aí, espero vocês em http://twitter.com/vinquotidien

Abraços!

1 de mai de 2009

Jacob's Creek Shiraz Cabernet 2007

Ganhei esse vinho do amigo Ale Martins, um excelente presente! Eu sempre via esse vinho nos Free Shops de São Paulo, mas nunca pensei em comprar. Sei lá por que... De todo modo, adorei a oportunidade de prová-lo, até por que esse é o primeiro australiano do meu blog.


Trata-se de um corte de 71% Shiraz com 29% Cabernet, proveniente do Barossa Valley no Sul da Australia. Jacob's Creek é a marca principal da vinícola Orlando Wines, que pertence à Pernod Ricard.

No copo, é um vinho tinto límpido de intensidade média e cor grená muito bonita. Tem pernas transparentes, lentas e longas. Reflexos rosados.

No primeiro contato, depois de ficar alguns instantes no copo e antes de ser agitado, o aroma do álcool apareceu um pouco demais, mas fois só aí. Logo surgiu um aroma picante, de pimenta preta, fruta escura madura, toque vegetal de grama e pimentão, menta, caramelo e madeira. Um bouquet muito interessante, aberto e de aromas claros e definidos. Supreendeu.

Na boca, acidez boa e bem equilibrada, com taninos presentes porém muito suáves e agradáveis. Toques picantes na ponta da língua, lembrando o bouquet, é um vinho que integra bem a acidez e sabor adocicado da Shiraz com o corpo e taninos da Cabernet. Álcool bem equilibrado, final médio e aromático.

O mesmo frescor que aparece no copo, lembrando menta, volta claramente na boca e, misturado com a madeira, me deixou com a lembrança de eucalipto. Não sei se estava influenciado pelo fato do vinho ser Australiano, mas sei que não consegui mais deixar de pensar em Eucalipto... Muito interessante e gradável.

Gostei muito do vinho, acompanhou muito bem uma sopa que fizemos para o jantar, por ser bem equilibrado, com boa acidez e corpo correto. Destaque positivo para a expressão da Shiraz nesse corte, pois muitas vezes eu acho que essa uva (principalmente na América do Sul) tem uma acidez desagradável, com gosto de abacaxi ou maracujá. Aqui não, é um vinho bem elegante.

Quem tiver a chance, vale a pena provar!

O que mais gostei - do equilíbrio, do bouquet aberto e aromático, várias coisas...